sexta-feira, 19 de agosto de 2016

"Negro é o carvoeiro, branco é o seu dinheiro".

Ora, não há que enganar! Não mais que um vulgarismo de sabedoria rústica,  é  quanto pede a boa nova da adoração ao menino dos Santos. Aqui vai,  a contrapêlo dos polícias da linguagem e com a ajuda do Mestre Aquilino: "Negro é o carvoeiro, branco é o seu dinheiro".

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

A crer no Cícero do De Senectute, foram as mercês da velhice - e não as da sabedoria ou da razão - que lhe permitiram ignorar os "prazeres sensuais...

A crer no Cícero do De Senectute, foram as mercês da velhice - e não as da sabedoria ou da razão - que lhe permitiram ignorar os  "prazeres sensuais,  os festins, as mesas a abarrotar, as taças sem conta", e eliminaram  "aquela ânsia de fazer o que não devia ser feito". Por ora o beber ainda é escorreito, embora  sem a escorrência pretérita de olho marinho; os apetites são assertivos,  embora ponderosos e vigiados pelo hemograma; o que nao devia ser feito continua a ser feito. Mas não há que enganar: num fósforo estou na fase da sabedoria trágico-geriátrica do Cícero.

domingo, 3 de julho de 2016

Houve um tempo em que a sofisticação pop não tinha a duração de um videoclipe e, iludida, namorava o classicismo. Tinha uma poética e foi eterna enquanto durou. Mas foi um amor durázio.


Houve um tempo em que a sofisticação pop não tinha a duração de um videoclipe e, iludida, namorava o classicismo.  Tinha uma poética e foi eterna enquanto durou. Mas foi um amor durázio.

terça-feira, 28 de junho de 2016

"Old England is Dying"

Para citar os Waterboys de Mike Scott (não me ocorre ninguém da alta cultura, desculpem lá!), "old england is dying". Dois brexits numa semana é bizarria a mais. Até para a rapaziada que tem uma câmara dos lordes e inventou o Harry Potter, "o rapaz ocultista".

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Aturdido ainda com os zumbidos e tremedouros da ressaca do Brexit, balanço-me para leitura tempestiva, com especial delonga nos seguintes capítulos: " Os políticos deles são tão debochados que fazem o Clinton parecer um rapazinho de coro"; "Eles veneram um gigante relógio-deus como o símbolo vivo da autoridade do estado"...


Aturdido ainda com os zumbidos e tremedouros da ressaca do Brexit, balanço-me para leitura tempestiva, com especial delonga nos seguintes capítulos: " Os políticos deles são tão debochados que fazem o Clinton parecer um rapazinho de coro"; "Eles veneram um gigante relógio-deus como o símbolo vivo da autoridade do estado"; "Eles deram o primeiro emprego a Karl Marx"; "Eles caçam animais espertos com animais burros, por desporto"; Eles inventaram e propagaram a teoria do estado de bem-estar social"; Eles transformaram o futebol no jogo do mundo".
Enfim, tudo o que o genuíno albufeirense e o presidente de conselho europeu devem saber, mas têm vergonha de perguntar.

terça-feira, 21 de junho de 2016

"O grande escritor visto de costas"

“ (…) O mínimo que se pode pedir a um grande escritor é, por isso, que tenha automóvel. Tem de viajar muito, ser recebido por ministros, fazer conferências, dar aos líderes da opinião pública a impressão de que representa uma força moral não desprezível.” (…)


Robert Musil, O Homem sem Qualidades

segunda-feira, 20 de junho de 2016

A Islândia não é só a terra dos gigantes que queriam esmagar a cabeça do Ronaldo. Também por lá habitam gnomos com voz de elfo que se metamorfoseiam pelo canto.

A Islândia não é só a terra dos gigantes que queriam esmagar a cabeça do Ronaldo. Também por lá habitam gnomos com voz de elfo que se metamorfoseiam pelo canto. Cuidado com eles!